Conheça as dicas

Escolhendo o local adequado

Procure um lugar bem iluminado – que tenha, ao menos, de 3 a 4 horas de sol – e protegido do vento. Em seguida, pense em quais espécies gostaria de ter e estude se vale fazer o plantio em jardineiras ou vasos. Além do tamanho, a disposição também varia: é possível criar hortas verticais e até mesmo suspensas.

Tudo é uma questão de encontrar o melhor modelo: as jardineiras permitem o cultivo variado e são mais compactas; já os vasos dão maior liberdade na hora da organização por sua variedade de materiais, diâmetro e profundidade. Em ambos, a criatividade pode rolar solta! Tem quem use materiais recicláveis (garrafas PET ou caixas TetraPak), caixote de madeira, sapateira etc. Independente da escolha, é bom lembrar de fazer um ou dois furos no fundo para garantir que o excesso de água seja drenado.

As melhores espécies e a preparação do solo

Antes de sair comprando todos os apetrechos de jardinagem, defina o que você quer ter na sua horta e pesquise um pouco sobre os cuidados que cada uma exige. Se o seu espaço não recebe sol durante todo o dia ou boa parte dele, hortaliças e leguminosas terão mais dificuldade para se desenvolver. Então, a dica é partir para as ervas aromáticas e outros temperos.

É importante considerar em cada caso o tempo de iluminação, a quantidade de água e o solo apropriados. E se decidir incluir dois tipos de muda no mesmo vaso, é bom saber se elas se dão bem – a hortelã e a salsinha, por exemplo, têm raízes invasoras, que se espalham facilmente e acabam sufocando qualquer outra espécie muito próxima. Boas combinações são: alface e agrião; alecrim e sálvia; manjericão e tomatinho cereja; manjerona e cebolinha.

No momento de plantar suas mudas, coloque um pouco de argila expandida no fundo do recipiente e preencha com substrato (ou 1/3 de terra preta, 1/3 de areia e 1/3 de composto ou matéria orgânica) para garantir que o solo esteja fértil. Conforme elas forem crescendo, você deve repor os nutrientes por meio da adubação.